Leitor Digital, Livro Digital & DRM

Nesta semana eu comprei meu leitor digital, meu “e-reader”. Depois de 2 anos fingindo que leio no celular, decidi ser sincero comigo e assumir que no celular eu não leio bosta nenhuma, porque há distrações demais.

Se você é uma dessas pessoas, que gostaria de ler mais e cogita comprar um e-reader, chegou no lugar certo!

A primeira pergunta é:

Eu preciso de um leitor digital?

Sim, precisa. Exceto se você não pretende ler livros digitais. Se é daquelas pessoas que precisam pegar no livro, cheirar como se fosse uma maldita droga. Que adora colecioná-los na sua estante. Nesse caso acabou sua visita. Foi bom te ver, beijos.

para os que ficaram, eu afirmo: sim você precisa. Não importa qual.

Vejam, pessoas lindas, nós passamos por uma unificação de recursos em um aparelho só. Conforme o celular/tablet/notebook foi ganhando funcionalidades, nós aplaudíamos. GPS, maps, contatos, e-mail, pedir comida, arranjar uma fodinha, estudar, fazer cursos à distância, tudo pelo celular.

Hoje temos esse monstrinho, que envia notificações e vibra a cada peido de celebridade ou seja lá o que é que você considera digno de uma vibrada.

E tem muita gente que sempre pensa “vou desativar essas notificações”. As mesmíssimas pessoas que morrem de preguiça de fazer isso de verdade.

É como se você deixasse a porta da sua casa aberta e a cada minuto viesse um vendedor dizendo “olá, a senhora gostaria gostaria de comprar um multifuncional depilador de nariz/batedeira de cupcakes?”; ou um vizinho “Oi, meu, segunda e foda né, ninguém merece” e jogasse um gato em você.

Ok, essa segunda parece uma boa…

Deixa o gato, mas isso não altera o fato que o Leitor Digital te protege de toda essa bagunça virtual. Ele é leve, gostoso de ler e sem distrações. Tudo o que os fabricantes falam que ele faz, ele faz. Pode acreditar.

E se você pensa em ler de verdade, não feito um poser bunda suja (como eu nesses últimos meses), você precisa de um leitor digital.

E qual comprar?

Resposta curta? Um sem luz.

Resposta longa: Qualquer um, vai do seu gosto e de sua loja preferida. No Brazil temos três: Kindle, Kobo e Lev.

Todos têm funcionalidades de fazer você querer beijá-los na boca, mas não caia nessa. Os três funcionam e são bons. O lev anterior era uma MERD@ reluzente e iridescente, mas eles criaram uma nova geração e hoje em dia você pode comprá-lo sem medo.

Digo para Não cair nessa de luz e “qual tem o melhor custo-benefício”, porque você está comprando um leitor digital justamente para sair dessa mentalidade de aparelho multifuncional. Ele precisa deixar você ler livros, e fazer anotações se você é desses.

E isso, os três fazem.

Suponho que você não compraria pelo dobro do preço um livro que “acende” quando você o abre.

Especificidades só devem ser levadas a sério se afetarem a forma como você lê. Como o recurso de Reflow de PDF do lev da Saraiva. Se você curte ler PDF, ele é melhor. E ainda assim nem tanto, porque quando se trata de tabelas e imagens ele continua sendo tão bom quanto os outros… horríveis.

Alguns armazenam 4 mil livros, outros 8 mil. E pensar que isso é importante me dá vontade de rir. Não mantenho 20 livros simultaneamente, imagine 4 mil.

Quem vende tecnologia é cheio de fazer você achar que precisa de um treco inútil.

No fim das contas, você não está comprando um aparelho, está comprando uma experiência.

Tenha isso em mente, não quantos níveis de luz, atrito do verso do aparelho, botão com design visionário… isso é baboseira.

Você ainda não respondeu a pergunta, jacaré!

Não, mas precisava explicar isso antes de entrar no próximo assunto. DRM & DRM-Free. Nenhuma dessas lojas permite que você use o seu livro digital em outros aparelhos. Eles querem você fidelizado.

Bulshit – Bosta de boi!

DRM significa DIGITAL RIGHTS MANAGEMENT ( do bom português Gestão de Direitos Digitais). Quando um livro digital tem DRM, ele está te dizendo que você tem o direito de usá-lo, lê-lo, mas ele não é seu. É como uma assinatura, e ele pode sair do ar a qualquer momento. Se uma livraria falir e fechar as portas, por exemplo.

Veja um trecho exemplo bem comum de termo de uso que você sempre concorda antes de realizar a compra:

A aquisição do direito de uso de um determinado conteúdo específico, que não implica na sua compra e nem na transferência da propriedade, dá direito ao adquirente de instalar enquanto a obra estiver disponível em nosso catálogo.

Existem formas de contornar o DRM de cada uma dessas lojas, mas convenhamos, queremos coisas simples. Não quero ter que baixar um aplicativo cheio de propaganda, não quero vender meu e-mail para o diabo para encher a caixa de spam, não quero nada.

Quero ler e ter meus livros.

Tem gente que argumenta que o lado ruim do livro digital se mostra quando você quer emprestar seu livro e não pode.

Cara pessoa que diz isso, isso não é característica do livro digital, isso acontece porque as empresas te prendem através de DRM.

Para evitar isso, você precisa comprar ebooks de lojas que não tenham DRM, que sejam DRM-free.

E isso existe?

Felizmente, sim.

Infelizmente, não muito.

Não conheço nenhuma iniciativa nacional, nenhum site nacional que levante a bandeira dos livros digitais livres de DRM. As três principais livrarias te limitam com DRM, bem como a google play Livros.

Se existisse, me teria com prazer (como cliente).

Para isso, tenho duas soluções:

1. Compre em Outras Plataformas

O mundo não gira em torno das 3 gigantes, algumas plataformas menos conhecidas vendem seus livros no formato epub sem DRM. Isso significa que você pode colocá-lo em qualquer um dos três leitores digitais disponíveis no mercado e se quiser, emprestá-los para quem não se incomode em ler na tela do PC ou também tenha um leitor digital.

2. Leia em Outro Idioma

Lá fora, como há um público leitor mais presente e mais interessado em ter os livros que compra, existem mais opções.

Se ler em outro idioma não é problema para você, segue aqui uma lista de lojas que vendem livros digitais sem DRM:

Agora, voltando a pergunta: Qual devo comprar?

Se esse não é seu primeiro artigo sobre o assunto, e eu acredito que não seja, sabe que a maioria fica em cima do muro.

Eu não.

Eu recomendo que você compre o mais fácil e que não gaste muito. Quanto a especificações, compre o formato de entrada, aquele sem luz, sem firulas, singelo, apenas um aparelho de leitura.

E sobre qual, segue a dica:

  • Se a livraria Cultura fica a 2 quadras de onde você mora, compre um Kobo.
  • Se já tem conta na Amazon e morre de preguiça de criar conta em qualquer outro lugar, compre um Kindle.
  • Se acha incrível a capa amarela do lev da saraiva, vá fundo.

Você será capaz de burlar o DRM de todos os três, embora fazer isso te trasforme em um infrator que quebra contratos…

Opções você tem, tanto para se livrar do DRM do jeito certo quando do “errado“. Vai de você, caro jacaré.

No fim, o importante não é qual, é porque comprar.

Compre um leitor digital se:

  • Estiver cagando e andando para os 300 reais que tem na sua conta e que vão sumir.
  • Se não tiver medo de ter seu leitor digital roubado enquanto lê no busão/metrô (eles não roubam, porque não conseguem vender essa joça. Ninguém lê no Brasil, só você).
  • odeia ficar juntando livro na sua casa.
  • é uma pessoal digital que quer ter tudo o que for possível no formato eletrônico.
  • Quiser pagar mais barato em livros (Você precisa comprar cerca de 40 livros para “recuperar” o valor investido no aparelho.

Agora tchau, vá ler um livro, jacaré.

😉

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *